quarta-feira, 27 de junho de 2007

Acróstico Alienígena

P elos caminhos tortuosos de meus pensamentos,
A nseio encontrar teus rastros nas nuvens.
L amento o murmurar dos trovões,
A inércia de teus afagos.
V iajo em cometas que me levem a ti.
R aios!
A que galáxia pertences?
S omos alienígenas em nós mesmos.

D evoro a poeira das estrelas
E vomito os raios do sol.

A lua, calada, me observa.
N etuno procura me identificar entre os astros.
J úpiter me prende em sua atsmofera.
O nde estás, alienígena de nós?











Um comentário:

o fogo que a fraga ferra disse...

és tão bonito!

não sei como consegues
transcendes-me

sou uma pétala lilaz
caída, singela
desbotada