quinta-feira, 8 de novembro de 2007

A Festa


Vesti-me de anseios

para bailar na festa

das bodas de ouro

de tua partida


Enfeitei os cabelos

com os trapos

que nunca vieste buscar


Untei a boca

[batom de fel]

seiva da saudade


Tudo para comemorar

as bodas de ouro

de tua partida


Não fui cinderela ou borralheira

: gata noturna a te caçar nas esquinas


Não eras príncipe nem algoz

: Aquele que tatuou meu corpo e fugiu


Adornei-me com teus resquícios

para não esquecer de comemorar

tua ida


[presença ausente]


que não mais almejo.






15 comentários:

ACANTHA disse...

Agora fala sério, FERNANDA:livro.
Queremos um livro. Mesmo!!! Muito bom, moça!

Claudia Perotti disse...

Fê,

Teus textos falam-me tanto!
Beijinhosssss

Antonio Ximenes disse...

Fernanda.

Em várias ocasiões, quando leio um poema, consigo enxergar uma certa influência... ou simplesmente lembrar de outro autor.

Este teu poema me fez recordar uma música do Chico Buarque.

Por isso me dou conta de que gosto muito da tua maneira de escrever.

Neste seu texto poético houve a perfeição exata para se retratar de forma humana aquela dualidade que existe no fim de todo amor... no início de toda despedida.

Abração.

benechaves disse...

Oi, querida: falar em amor sempre mexe com a gente, não? E quando ele se alimenta da fome... nem pensar! É puro êxtase. Principalmente quando vc está numa festa a bailar e a procurar o verdadeiro sentido de um relacionamento ou não. Então, a fome aumenta ainda mais(rs).

Um beijo com fome...

Gustavo Chaves disse...

Recordei, como o antonio aí em cima, de chico buarque, o que isso significa: que está ótimo!

Auíri Au disse...

Se as saudades estão completando bodas de ouro, tenho certeza que não são somente saudades....



Beijos


Auíri Au

Edson Marques disse...

Fernanda,



"vestir-se de anseios" é uma coisa belíssima!


Ouvi falar em livro?!

Que bela notícia!

Abraços, flores, estrelas..

.

Natália Nunes disse...

As vezes, esquecimentos requerem essas etapas de quase encatamento para expurgo, exorcismo...

santiago disse...

E que haja mais festas...

E que dances com um novo par...

Sol Noturno disse...

presença ausente... suspiro!

é eterna a busca!

blá blá blá disse...

baila menina agora e sempre!
kisses

Pena disse...

Linda Amiga:
Creio estar pela frente de um desencanto feito encanto e de saudade de uma festa sem comemoração.
Acredite que a leio com delícia.
Como constrói belos instantes de poesia. Como possuí uma Alma gigante e terna. Admirável.
Comemore mesmo na ausência de Alguém, não totalmente esquecido, a sua celebração. Chame-o. Seria um acto nobre, de dignidade, de inequívoca prova de ternura que jorra de si com encanto. Seria um gesto maravilhoso.
Celebre. Merece por completo.
Beijinhos amigos, ternos, de muita estima e encanto.

pena

o amnésico disse...

Mesmo solitária, tua festa brilha...

Tem uma indicação pra você lá nas Notas, olha quando puder.

Bjo.

Lado B disse...

uma roupa pra despedida..outra pra curtir a saudade..

Menkar disse...

Hermoso texto. Muy bueno.


Menkar