sexta-feira, 14 de setembro de 2007

Na escuridão...



no escuro

: vejo


instintos

qualidades



no escuro



discernimento

caminhos a trilhar



no escuro



teus olhos

: faróis de milha



clareiam minha boca

pra

contar meus anseios



no escuro



te encontro em mim

e

tu te perdes


ao

me encontrar.

7 comentários:

Deka disse...

Belíssimo!

BRUNO LEONARDO disse...

Oi,linda
Realmente eu quero que me injete na veia esta sua poesia...pode ser no escuro mesmo..mas,cuidado...!rs
Adorei!já fui lá no "Prosas"
Bjs

Ricardo Rayol disse...

Esse encontrar-se é demais. Quem não daria tudo para perder-se assim?

Moacy Cirne disse...

Os cortes bruscos /no escuro/ levam o poema para duas direções, que não se contrapõem necessariamente: a primeira aponta para 'uma segunda voz' como possibilidade cenográfica; a segunda aponta para 'um quebrar de ritmo poético' que precisaria ser melhor visto/sentido no contexto mesmo do poema, embora os dois versos finais, de algum modo, justifiquem a 'fala sensual' que existe na construção do texto, aí se realizando plenamente. Um beijo.

Erika disse...

ai ai, Fe... e gente fica até meio tonta

beijos

Jens disse...

"Te encontro em mim e tu te perdes ao me encontrar"
Muito bacana, tchê. Parabéns.

Anônimo disse...

Eu me perco, por te encontrar!