sábado, 25 de agosto de 2007

Doces Acordes

Ao meu avô Lourival Passos.
Compositor, cantor e poeta.
Com suas belas palavras e seus doces acordes compreendi a beleza da arte.
Legado imensurável que ainda ecoa em minha vida. Sempre.




Hoje o Passado veio me visitar!

Em um dos braços, violão exalando

cheiro de tempo felizes.

Acordes de Noel, Adoniran, Pixinguinha, Cartola

e tantos outros que ficaram guardados

nos dedos ágeis que balançavam suas cordas.

No outro, um cavaquinho que, inquieto,

gritava chorinhos clássicos.

O Passado tinha cheiro de abacate.

Gosto de boemia.

Na cabeça, chapéu de abas redondas.

Vestia terno de malandro.

Estava amanhecido de mais uma das tantas noites vividas nos cabarés

que extasiavam sua luxúria cantante.

O Passado tinha olhos verdes, límpidos como uma esmeralda.

Olhos de esperança que adoçavam meus sonhos pueris.

Cabelos grisalhos, resultado dos dias vividos intensamente entre a razão

e a perdição da embriagues.

Sua voz, reconhecida por mim até no mais profundo sono.

Seu beijo, tatuado na memória eterna das coisas que nunca morrem.

Ah! Passado feliz, arco-íris em festa.

De ti não tenho saudade.

Sinto é ausência.

Saudade é coisa que não se traz pro presente.

Ausência é o vazio deixado pelo que nos alenta o corpo e a alma.

Hoje o Passado veio me visitar

Chorei!

Sorri!

O Passado cantou, me abraçou,

embalou meus sonhos de criança

com sua voz brilhante.

Olhei pro lado. O violão, o cavaquinho.

Olhei pra dentro de mim. Teu rosto enrugado, fendas do tempo.

Ouvi tua voz que todos os dias

me levavam para um mundo de fantasia.

Mundo das histórias que contavas pra mim.

9 comentários:

benechaves disse...

Oi, Fernanda: o tempo é realmente implacável e ficam somente as sombras de uma ilusão. O passado, perdido. A ausência, sentida. Ecos de uma vida que não volta mais. E as nossas lembranças como um bálsamo da outrora jovem existência.
Bela composição!

Um beijo de ontem...

Osc@r Luiz disse...

Olá, Fernanda.
Logo que li o seu post, elaborei o que comentaria.
Mas antes de mim chegou um poeta e disse em poesia tudo o que eu diria de maneira coloquial.
Diante disso, com o recado mais do que dado, me calo diante das palavras do cavalheiro.
Só o beijo não é de ontem. Esse é de agora mesmo.
Um bom final de semana pra você.

sandra camurça disse...

Menina, que coisa linda! Adoro Noel Rosa, Cartola...E que maravilha ter um avõ compositor, que infância deliciosa deve ter sido a sua. ;)
Beijo grande
e bom fim de semna pra ti.

Flávio A disse...

incrível como a música marca os momentos da nossa vida ;D

Edson Marques disse...

Fernanda,


teu poema é um abraço na memória do teu avô!


E a foto do violão, perfeita!



Abraços, flores, estrelas..



.

Moacy Cirne disse...

O passado pode ser insondável. Como a poesia. Como a beleza da arte. O passado também se faz presente. Quando recordamos um parente querido, por exemplo. Beijos.

Ricardo Rayol disse...

O passado me assombra de vez em quando, mas exocizo-o em minhas combalidas letras.

Bion disse...

Seu avô deve ser muito orgulhoso da neta !

Jens disse...

Adorei. Clap! Clap! Clap!