quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Des(ilusão)



Cavalga no silêncio ululante,

Dessa que agora chama por ti.

Amor líquido, transbordante.

Ausência constante a me ferir.

Cala a voz do peito ardido,

Que grita ao vento esse amor.

Embora nunca querido,

Jamais deixou de ser ardor.

Tritura os versos insanos,

Anotados em letras mortas de dor.

Rasuras de uma poeta infeliz...

Digere as estrofes desses anos.

Cospe! Apaga meu calor.

Incinera a poesia escrita, a giz.



23 comentários:

cm disse...

quanta força....brota

e não se apaga

um abraço

Erika disse...

amor líquido que desce pelo ralo.

beijo

dennys disse...

Olá! Sou Moderador/Fundador do Grupo BlogMania no Yahoo, um grupo voltado para blogueiros, afim de divulgar mais nosso espaço e conhecer pessoas novas afim de criar um vinculo de amizade onde haja visitas de um blog para o outro e não apenas entrar e nem ao menos ler o conteudo do nosso Blog! Desculpa estar aqui te convidando, isso não é SPAM mas sim uma forma de convite! Alias..ADOREI seu Post! Caso queira fazer parte do Blogmania apenas mande um email para BlogMania-subscribe@yahoogrupos.com.br que automaticamente você fará parte do Melhor e MAIOR Grupo de Blogueiros da rede! De Pronto sea bem vinda, assim que entrar no grupo mande um email para o grupo saber quem você é!
Desculpe ter incomodado mas é isso! òtima quinta e espero você lá! você vai gostar! Abraços! www.muvuca.blogger.com.br dá uma passadinha lá :)

Edson Marques disse...

Fernanda,

você escreve tão gostoso, que fico a imaginar até "as letras morrendo de dor"...


Belíssimo!


Abraços, flores, estrelas..



.

empty disse...

me lembrei de augusto dos anjos, que é dos meus preferidos:

Vês! Ninguém assistiu ao formidável
Enterro de tua última quimera.
Somente a Ingratidão - esta pantera -
Foi tua companheira inseparável!


Acostuma-te à lama que te espera!
O Homem, que, nesta terra miserável,
Mora, entre feras, sente inevitável
Necessidade de também ser fera.


Toma um fósforo. Acende teu cigarro!
O beijo, amigo, é a véspera do escarro,
A mão que afaga é a mesma que apedreja.


Se a alguém causa inda pena a tua chaga,
Apedreja essa mão vil que te afaga,
Escarra nessa boca que te beija!

versos íntimos - augusto dos anjos

Poeta ignorado pela crítica no século passado, se alguma exceção se abriu foi para reputá-lo como autor de versos estapafúrdios e aberrantes.
Pobres Mortais!


beijos para a moça especial!

me sinto com o sangue renovado quando entro aqui...
poesia na veia!!!

beijos.

empty disse...

caramba...
noel no violão...
tocado pelo vovô...

perfeito!

ah sim...
o layout do blog ficou sen.sa.cio.nal!!!

beijos, moça.

Bion disse...

Lindo !!

Ro Druhens disse...

To sem fôlego, é bonito demais!!! Não só o canibalismo merece ser reprisado, mas tudo, sempre, é bom e lindo , muito, mesmoooooooooo.beijo

Marcelo disse...

Muito forte...
Muito Intenso!!!
Belo poema!
Sempre bom ler belos poemas!
Escreverei novidades em breve!!!
Abração

empty disse...

sou o loirinho na foto, ao lado estão minha irmã e um primo que mora distante!

você não faz idéia do bem que me faz!!!

=)

eu era uma crinaça linda, mas o tempo acabou comigo!!!
=)

voc~e mora no maranhão, que maravilha de cenário!!!

beijos, moça.

empty disse...

ah sim, vc falou do chico science...
fui ao show dele pouco antes de nos deixar.
precocemente.

foi lindo o show, um verdadeiro espetáculo!!!

você me fez lembrar coisas boas!

empty disse...

=)
beijos.

Saramar disse...

Fernando, vim conhecer seu blog e adorei.
Estou ainda conhecendo a beleza dos seus versos. São fortes, lindos!
Agradeço sua visita ao Pseudo-poemas. Muito obrigada.

beijos

Fábio Vanzo disse...

Gostei. Lírico, triste, formal, bem na tradição do Romantismo.

benechaves disse...

Eita, eita, que tá tudo muito bonito por aqui. Desde o lindo visual e passando por 'devaneio', 'canibalismo'(fortee devastador!- uma beleza de poema)e tb 'des(ilusão)'. Parabéns pelo vigor de sua poesia.

Um beijo devaneador...

Natália Nunes disse...

Confesso que fui lendo mais sentindo a rima das palavras do que compreendendo as idéias.
Gostei, sonoro!

Eu-Alguem. disse...

...
"Amor líquido, e forte que tanto me alegra e me arde. Parece cachaça, sou viciado até na ressaca!"


PS: O blog ta mais bunito! \o
hehehe
PS²: ando ausente,por motivos de trabalho.Inclusive com poesia,gastanto meu tempo livre escrevendo e editando videos pra para participar de alguns concursos aqui (Recife esta na -semana da literatura).Breve posto mais daquilo lá!
^^

Té!
;*

Flávio A disse...

que poesia linda. ficou muito boa. o amor é mesmo uma fonte imensa de inspiração.

Bion disse...

Agora eu que cobro: cadê vc, heim??? rsrsrs bjs!

T. Parada disse...

Belo poema =DD

vo comecar a passar aki mais vezes pra ler um pouco de seus poemas

=))

Osc@r Luiz disse...

Desiludida, mas mais fértil a cada dia.
É cada sentimento que inspira os poetas...
Muito bom!
Beijo!

Mário disse...

Muito bom ler esses sentimentos que o seu poema destila. Obrigado Fernanda!

Saramar disse...

Voltei depois da indicação do Ricardo. Ele nunca erra e este poema, certamente, merece.
Devo lhe pedir desculpas pelo erro de digitação ao escrever seu nome, Fernanda. Que vergonha!
Perdão!

beijos